foto2.jpg

Por Kiara Terra

Karina Nasceu em 1979, quando criança passava horas na casa da avó xeretando as gavetas. Eram botões, rendas, slides antigos, fotos, roupas. A menina adorava criar histórias com tudo aquilo. Nasciam mundos imaginários com aqueles objetos. Ela experimentava a liberdade.

Aos meus olhos era uma menina quieta. Parecia. Era bonita de uma simplicidade dessas de desconcertar. Um coração grande e livre que argumento nenhum desse mundo de prédios e carros grandes encontra jeito de amarrar.

Reencontrei estávamos adultas. E Karina tinha se tornado uma mulher corajosa. De trabalho delicado e consistente. Não precisamos de muito tempo para sentir pertencimento. Nem eu para perceber a entrega as peças que faz. Ela esculpe com a simplicidade com a qual vive e dá pra notar quando a madeira vira história.

Karina esculpe espaços vazios. Esvazia-se. E o tempo escapa de sua condição finita. Por que a ação vem da vida deslumbrada inteira de uma moça apaixonada por estar onde está.

E escolheu. Ela sabe que o vazio acolhido abre espaço a um repouso em si. Como atravessar uma porta sem garantias que nos conecta a um mundo expansivo e vivo.  Você se surpreende o tempo inteiro com o que esta vindo, pois é novo.

A capacidade de se conectar com a sensibilidade silenciosa, digna da construção, do encantamento e da profundidade de uma peça de arte estão presentes o tempo todo.

Encontra ali na fresta da vida vivida todas as manhãs. Entre o vento que movimenta as cores e o brilho da luz que invade as árvores. Tudo esta presente, o amor, tristeza, beleza, solitude, paixões, o onírico, a dor, o prazer, o desequilíbrio da ordem, o riso, a vida em sí.

O visível e o invisível se tocam. E quando se tocam o multidimensional se manifesta. As formas aparecem e se dissolvem como uma brincadeira às margens do universo.

Dessa brincadeira nascem personagens, seres, animais, histórias, elementos da natureza. Com cuidado e afeto ela evoca essa atmosfera lúdica e divertida através da madeira.

Foi trabalhando como restauradora que Karina encontrou o universo da marchetaria.

Se formou em artes plásticas pela Faculdade de Belas Artes – UFBA em Salvador – Bahia e como restauradora e designer no Palazzo Spinelli em Firenze – Itália.

De lá para cá Karina se tornou mãe do Teo e do Lucas e ao contar histórias para eles antes de dormir, as figuras literalmente começaram a saltar dos livros ganhando vida com o trabalho de marchetaria. É uma prazerosa travessia exercida ainda a liberdade de menina e é dessas pessoas que a gente reconhece logo a sorte de conhecer.

Kiara Terra é amiga e contadora de histórias